segunda-feira, 18 de junho de 2012

Conclusões finais sobre " A cabana".

Terminei o livro ontem mesmo. No fim, posso dizer que gostei porque de alguma forma ele me provocou e me fez pensar, questionar e sinceramente eu não acho que Deus se aborreça com isso.
Se eu quero entendê-lo é porque eu me importo e porque quero me tornar uma pessoa melhor para agradá-lo.
Ninguém está livre de passar por uma situação dessas, e se isso me acontecesse hoje, muito provavelmente Jesus perderia uma de suas ovelhas porque por não entender e não aceitar, eu deixaria de acreditar, de confiar e me afastaria para sempre.
No fim, o deus do livro não respondeu às questões de Mack, e nem as minhas. Ele respondeu as perguntas com as respostas mais evasivas possíveis, mas não às questões.
Uma grande contradição em duas passagens serão uma incógnita para sempre.
Na página 125, Mack pergunta a Deus se ele fez com que sua filha morresse para ter a oportunidade daquele encontro com ele e mudá-lo.
A resposta foi a seguinte:
" Mack, eu crio um bem incrível a partir de tragédias indescritíveis, mas isso não significa que eu a provoquei ou que preciso delas para realizar meus propósitos. Essa crença só vai levá-lo a ideias falsas a meu respeito. A graça não depende da existência do sofrimento, mas onde há sofrimento você encontrará a graça de inúmeras maneiras."
Lindo não? E aproveitável sem dúvida, mas fora do contexto do livro.
Na página 150, num novo diálogo entre Mack e Deus, surge novamente a questão da morte da Missy e Deus diz:
" Eu poderia ter impedido o que aconteceu com Missy? A resposta é sim."
E diante do olhar interrogativo de Mack ele continua:
" ... inteferir no caso de Missy não era uma opção por causa de propósitos que você não pode entender agora".
É contraditório ou não é? E nisso, Mack e eu continuamos sem entender porque, afinal, Missy morreu.
Por outro lado, a parte em que fala sobre perdão eu gostei bastante.
Eu tenho uma dificuldade enorme em perdoar as pessoas. Já sei de todo aquele blá blá blá sobre "você deve perdoar quem peca contra você para que Deus te perdoe pelos seus pecados". Nhé!
Por isso Ele é Deus e eu sou uma reles humana que vai virar comida de verme um dia.
Eu não consigo e pronto! Desejo a morte de muitas pessoas todas os dias. Tá, não muitas, mas de algumas. Acho mesmo que o mundo seria melhor sem elas e o fato de eu desejar não faz com que nada aconteça. Elas continuam lá, vivíssimas da silva fazendo o mal com suas falsidades, intrigas, mentiras, e maldade pura e simples. Elas tem algo de bom? Sem dúvida.
A Susane Von Richthofen também tem, assim como Alexandre Nardoni e Ana carolina Jatobá, o maníaco do parque, os caras que arrastaram o menino João Hélio pelas ruas até a morte e muitas outras celebridades do chilindró.
Difícil pensar assim? Pois é...
Então, a respeito do perdão o deus do livro fala na página 152:
" Perdoar não significa esquecer, Mack. Significa soltar a garganta da outra pessoa.
O perdão não estabelece um relacionamento.
Mack, perdoar esse homem é entregá-lo a mim e permitir que eu o redima."
Isso eu consigo fazer. E desde ontem eu deixei de desejar que pessoas que já me feriram morram. Bom né?
Bom pra mim que consegui me livrar de pensar nelas todos os dias. Elas nunca sofreram pelos meus pensamentos. Sequer sabiam da existencia deles.
Mas eu sempre ouvi que se uma pessoa não conseguia esquecer um fato, então não havia perdoado de verdade. E eu vivia com aquela ideia de que era um absurdo ter que esquecer e ainda ser amiguinha e receber na minha casa pessoas que já me provaram que não mereciam a minha confiança e a minha amizade.
Agora eu me senti confortável com a possibilidade de simplesmente soltar a garganta da outra pessoa e entregá-la a Deus sem o compromisso de ter que estabelecer um relacionamento novamente com elas. Isso está sendo renovador para mim.
Se essa é a vontade do Deus verdadeiro eu nunca vou saber, mas se está me fazendo bem e livrando algumas pessoas mesmo que sejam grandissíssimos filhos da puta de terem suas vidas amaldiçoadas todos os dias, creio que ELE não irá se importar se eu pensar assim.
Bom, no fim das contas, Mack estava sonhando.
Ele acordou num hospital e soube que sofreu um acidente na sexta-feira, dia em que saiu de casa para retornar à cabana. Ou seja, Mack sequer esteve lá, ou esteve e voltou e nessa volta sofreu o acidente.
O autor no Posfácio afirma que Mack existe e que a história é verdadeira e que apenas esse "final de semana com Deus" é que é parte da lembrança de Mack enquanto esteve desacordado.
Mas será que só porque Mack esteve desacordado é tudo mentira?
O fato é que informações que Deus deu a Mack nesse "encontro" o levaram junto à polícia até os restos mortais de sua filha e das outras crianças mortas pelo "matador de meninas" o que possibilitou  um enterro digno`a Missy e a prisão preventiva e posterior julgamento do assassino.
O autor não entra em detalhes sobre esse julgamento e nem sobre a pena aplicada ao criminoso.
Existe até um convite nas últimas páginas do livro para participar do "Projeto Missy", mas os detalhes estão num site em inglês e eu ainda não fui olhar com calma do que se trata.
Eu gostei do livro.
Ele provoca, incomoda e levanta questões polêmicas. Nos faz colocar o lixo pra fora e isso é bom porque toda faxina que posteriormente deixa a nossa casa limpa e organizada começa a partir de uma enorme bagunça.
As partes das quais não gostei se devem à visão limitada que tenho das coisas. Visão fabricada que eu comprei assim como compramos macarrão instantâneo no mercado.
A Bíblia é um mistério e cada um interpreta à sua maneira e repassa a ideia. As religiões são grupos de pessoas que pensam da mesma forma e se reunem para convencer aos outros. Funciona e nem sei o que seria do mundo se não fossem esses freios que as religiões colocam nas pessoas, mas sendo sincera, eu ainda acho que os frequentadores compram ideias pré-fabricadas.
A partir do momento em que nos despimos de tudo o que vestiram em nós, podemos começar a tecer nossa própria vestimenta.
Esse livro não fala de religiões e nem da bíblia. Ele fala de Deus pura e simplesmente, a partir claro, do ponto de vista de outra pessoa baseada numa experiência real, e portanto, quem comprar a ideia estará comprando também uma ideia pré-fabricada.
A minha sugestão para quem o ler é que aceitem a provocação, coloquem o lixo para fora e comecem a viver uma nova experiência com Deus baseada em suas próprias experiências pessoais.
Se nada na nossa vida acontece por acaso, então é porque existe um propósito em tudo. E se existe um propósito em tudo e todos nós temos vidas diferentes uns dos outros, comprar ideias pré-fabricadas e nos relacionar com Deus baseados em experiências de terceiros é passar por tudo isso em vão.
Vou reler esse livro muitas vezes e tenho certeza de que ao final de cada leitura terei uma opinião diferente, mas por enquanto, isso foi o que aprendi.
Recomendo. De verdade.

10 comentários:

  1. ola gatona
    nossa quero ler esse livro,o perdão noa vem de nos e sim dde Deus ,acho engraçado que temos nossa opinião em tudo mas se nao vivemos isso em nossa vida fica dificil falar de como eu agiria acho que vc ver uma situação ou ate se colocarmos no lugar da pessoa e totalmente diferente de vc viver essa situação sei que ddevemos pagar pelos nossos erros mas se acaso fosse nossos filhos sera que iriamos qerer ver eles morto ? devemos pensar nisso e julgamento pertence a DEUS graças a Deus
    beijosss

    ResponderExcluir
  2. Posso só dizer q sou tua fã?!
    Se escrever um livro, juro q compro... :)
    Pões-me sempre a pensar.............
    Quem me dera que certas pessoas largassem a "garganta" de outras... (Agora sabes do q falo)
    Bjinhos amiga!

    ResponderExcluir
  3. ♥ Passando para deixar um OI muito carinhoso, e desejar uma excelente semana para vc minha amiga , Um beijo grande, e vamos tentar fazer a nossa semana bem 'magrinha'! ♥

    ResponderExcluir
  4. Ai que bom que já colocou a conclusão
    estava pensando nisso desde ontem
    É tem muitas coisas que a gente talvez nunca vá entender.
    Mas vejo que o livro já te proporcionou um crescimento
    fico feliz por isso
    Adoro seus textos não me canso de falar isso
    bj

    http://mundorohsa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oi, querida! primeira vez por aqui!!! Eu ganhei esse livro mas ainda naum li!! Me animou de ler!!! bjs

    ResponderExcluir
  6. É Linda, esse livro mexe mesmo com nosas ideias, nos atordoa, nos deixa sem algumas respostas e com algumas perguntas no ar. Que bom que tirou suas próprias conclusões. Gosto de vir aqui e ver suas opiniões que sempre são sinceras e espontâneas.
    Deus é um grande mistério para nós, mesmo acreditando nele e tendo-o como referncia para minha vida, tem coisas que não consigo entender e perguntas ainda a serem respondidas, mas independente disso, a fé não precisa dessas respostas ela não se explica, apenas se vive.

    Tenha uma Ótima seman semana, minha querida!! Bjs

    ResponderExcluir
  7. Excelente reflexão, como sempre ! Um beijo.

    ResponderExcluir
  8. Eu li esse livro, eu amei, mexeu muito comigo. Beijoos lindona

    ResponderExcluir
  9. Minha madrasta leu esse livro e disse que ia me emprestar...agora com sua recomendação fiquei curiosa...vou cobra-la!!!Bjos e tenha uma ótima semana...doidinha pra ver as fotos!!!

    ResponderExcluir
  10. Esse livro foi um presente e muito importante pra mim... Eu o li no pior momento da minha vida, quando perdi meu pai para o câncer, 3 anos atras...
    Achei linda a maneira como Deus foi mostrado no livro, o cuidado, o acolhimento... E como o autor lida com a dor, a perda, a raiva...

    Eu senti muita raiva, sabe? queria culpar todo mundo... E esse livro, novamente, me ajudou muito!

    ResponderExcluir